Textos


CONTE UM CONTO AUMENTE UM PONTO

Fê é amigo de infância dos meus primos paternos, bem como vizinhos. Seus pais amigos dos meus tios. Sempre que vinha de Salvador passar férias em Fortaleza ficava na casa deles.

Em julho de 1998 fui residir em Sobral a trabalho e até o apartamento ficar pronto, morei num pensionato misto, que por coincidência lá estava meu amigo de férias, agora veterinário e mestre de segunda a quarta porque professor no curso de Zootecnia da Universidade.

Aqui acolá nos reuníamos lá mesmo no pensionato para um churrasco, ou outra coisa parecida, e findou que alguns pares começaram a ser formados.

Fato é que o namorador engatou mais um romance para a sua infindável coleção de solteiro convicto. E a coisa esquentou, principalmente quando todos partiam pra seus quartos e os dois ficavam a sós na sala de Tv da pensão noite a fora, madrugada a dentro.

Não demorou quase nada surgir o zum zum zum que não era aconselhável sair durante a madrugada do quarto para tomar água ou assaltar a geladeira porque o namoro era de "encher os olhos".

Tempos depois soube que outro morador do pensionato andou alardeando certa feita ser surpreendido pelo namoro do casal, ficar mais chocado com o fato de todas as garotas e garotos do local tratarem o "show olímpico" com naturalidade. O que de pronto o fez imaginar que todos eram adeptos às práticas, ao meu ver bastante saudáveis.

Mas como periquito come milho e papagaio leva a fama, exatamente por conta dessa ideia de ver dois no amasso se estender aos demais, cheguei a pedir a ele num fim de semana em Fortaleza que pegasse leve, porque não faltava nada pra dona do pensionato ficar sabendo da ralação e seria chato pra garota, que por sinal me olhava feio quado a gente brincava, já que o namoro era só naqueles dias em que ficava a trabalho na cidade, ou seja, não iriam adiante, ele bem que poderia arrumar alguém num outro local menos "bandeiroso".

Não soube do resultado, porque o apartamento ficou pronto e dali saí, exatamente levando comigo as meninas que não estavam adaptadas ao comportamento de outros moradores e já haviam se atritado, inclusive.

Até que faz uns três anos chegou ao meu conhecimento via telefone sem fio, no melhor do conte um conto aumente um ponto, que eu é que era a ficante de Fê... Hein?!

Confesso que nunca dei bola para o boato, até porque somos amigos de adolescência e se um dia me sentir indisposta, basta um telefonema e o assunto virá pó, mas conhecendo o gênio do rapaz, é preciso suportar um mal menor e evitar um maior.

Cada pessoa se dispõe a enxergar conforme sua percepção de vida. Duas pessoas na flor da idade fazendo sexo na sala de uma pensão, para uns um vexame, para outros motivo de zoação, para os mais discretos algo a não se comentar e planejar uma saída à francesa, e há também aqueles que não se conformando em apenas se indignar, comentam o fato em ambientes alheios ao ocorrido, isto é, "tudo é relativo aos bons costumes do lugar".

Conflito de gerações ou de classes sociais, confesso que a vida é pra ser vivida e mais vale em minha roda de amigos dois se lambuzando do que gente chata pureza insossa evocando.
___________
Arte by Frida Castelli 
 
Luana Sávia Aires
Enviado por Luana Sávia Aires em 22/01/2019
Alterado em 28/01/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários